ESTUDO BRASILEIRO MOSTROU REDUÇÃO DE MORTES PELA COVID-19 COM O USO DO TOFACITINIBE

Data de Publicação: 19/06/2021


ESTUDO BRASILEIRO MOSTROU REDUÇÃO DE MORTES PELA COVID-19 COM O USO DO TOFACITINIBE

Estudo brasileiro publicado online pelo “The New England Journal of Medicine” em 16/6/21 demonstrou uma redução no risco de morte pela COVID-19 com o uso do Tofacitinibe. 

O Tofacitinibe, medicamento aprovado para uso desde 2012 para tratamento de artrite reumatoide e outras doenças autoimunes como artrite psiroática, alopecia areata e retocolite, é um inibidor do sistema Janus-quinase (JAKs), proteínas envolvidas no desencadeamento de doenças inflamatórias.

A inibição das JAKs modula a ação do interferon e da IL-6 e inibe a tempestade de citocinas no organismo e, consequentemente, a resposta que leva aos desfechos graves como a insuficiência respiratória aguda grave.

O estudo envolveu 289 pacientes em em 15 centros diferentes e divididos em grupos Tofacitinib ou Placebo por 14 dias. Todos os pacientes eram >maiores de 18 anos e com diagnostico confirmado de COVID-19 (rt-PCR+), pneumonia viral confirmada pela tomografia e internados por no máximo 72h. Todos foram acompanhados por 28 dias.

Foram excluidos do estudo pacientes em uso de VNI, VM e ECMO, pacientes diagnosticados com tromboses, com outro tipo de imunossupressão previa e portadores de cânceres em tratamento.

Os paciente dos dois grupos receberam os tratamentos padrões para COVID-19: antibióticos quando necessários, anticoagulação, oxigenoterapia (75% dos casos) e também corticoides (89,3% dos pacientes) durante a internação. A idade media dos participantes foi de 56 anos, sendo a maioria homens (66%), no 10º dia de sintomas.

Como resultado principal, a chance de óbito ou falência respiratória em 28 dias foi de 18,1% no grupo intervenção versus 29% no grupo placebo, uma redução de 37% no grupo tratado.

Para ver as fases de evolução tomográfica pela COVID-19, clique aqui.

Para acessar o link direto para o estudo pela nossa Central de Downloads, clique aqui.

FONTE: Guimarares PO et al. DOI: 10.1056/NEJMoa2101643

Colaboração: Dra Tatiana Capucci (@dra.tatianacapucci)



Siga-Nos



Pneumologia

Artigos que contam a história da pneumologia.