PESQUISA DE IMAGENS

 

Central de Downloads

Encontre em nossa área de downloads vários arquivos e PDF, PPT, WORD, entre outros. Todos os arquivos com relevância para sua pesquisa.

Sessão Retrô

Artigos que contam a históia da pneumologia.

ALTERAÇÕES TOMOGRÁFICAS PERSISTEM 2 ANOS APÓS COVID GRAVE

Data de Publicação: 27/02/2023

ALTERAÇÕES TOMOGRÁFICAS PERSISTEM 2 ANOS APÓS COVID GRAVE

 

Dois anos após a hospitalização por COVID-19 grave, mais de um terço de 144 pacientes dos primeiros dias da pandemia apresentava anormalidades pulmonares persistentes em tomografias computadorizadas do tórax, de acordo com um estudo prospectivo de Wuhan, China.

A incidência de anormalidades pulmonares intersticiais persistentes (ILAs) caiu durante o acompanhamento após a alta hospitalar de 54% em 6 meses e 42% em 1 ano para 39% em 2 anos (P = 0,001) em uma coorte de 144 indivíduos.

A proporção de ILAs não fibróticos diminuiu de 31% para 19% a 16% ao longo do estudo, enquanto a incidência de ILA fibrótico permaneceu consistente em 23%.

Anormalidades pulmonares residuais após COVID podem consistir em opacidades em vidro fosco, reticulações subpleurais, alterações císticas, bronquiectasia de tração, faveolamento, bandas parenquimatosas ou distorção arquitetural.

Sintomas respiratórios como tosse e dispneia aos esforços (34% vs 15%, P= 0,007) e capacidade de difusão anormal do pulmão para monóxido de carbono (DLco,43% vs 20%, P = 0,004) ocorreram com mais frequência em participantes com ILAs do que naqueles com resolução radiológica completa.

Para o link para download e ler o artigo na íntegra, vá na nossa Central de Downloads.

Para ver imagens sobre a Covid-19, clique aqui.

 

FONTE: Han X. Published Online: February 14, 2023. doi.org/10.1148/radiol.222888

(MG)


Compartilhe: